Depois de três meses de queda, alimentos da FAO sobem 6%