Interrogatório de Dilma no Senado: Jorge Viana pergunta

E-mail Imprimir PDF

O senador Jorge Viana (PT-AC)  a palavra na noite desta segunda-feira (29), durante o interrogatório da presidente afastada no julgamento do impeachment, mas não fez perguntas à Dilma Rousseff. Ele afirmou, em seu discurso, que o processo de impeachment não deve ser visto como avalizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) porque é presidido pelo ministro Ricardo Lewandowski.

"Somos juízes. Estamos aqui presididos pelo ilustre ministro Ricardo Lewandowski. Isso não significa, como alguns tentam apregoar, que o Supremo Tribunal Federal está dando algum tipo de aval ao processo. Ele está aqui tão somente porque a lei é de 1950", disse ele, explicando que, no ano de aprovação da lei, o presidente do STF também presidia o Senado.

"Que tribunal é esse onde os juízes são senadores, e a acusada é presidente da República? Os juízes aqui são isentos como devem ser? Que chance há de a presidenta Dilma encontrar Justiça nesse tribunal? É isso que o Brasil deve estar se perguntando neste momento", afirmou ele.

Resposta de Dilma

Apesar de o senador Jorge Viana não ter feito perguntas, Lewandowski passou a palavra para Dilma Rousseff. A presidente afastada afirmou que "é fundamental que a oposição seja legal à Constituição", em uma alusão a escritos do sociológo Juan José Linz, e pediu que as "regras do jogo" sejam respeitas. "E a maior regra do jogo em nosso país é a Constituição. Impeachment sem crime de responsabilidade é uma violação dessa regra do jogo."

Dilma aproveitou a fala pasar fazer uma autocrítica, e voltou a defender um plebiscito que consulte a população sobre a realização de eleições diretas.

"Podemos sim melhorar nossas políticas, consertar nossos erros. (...) Mas sem enfrentar a crise política no Brasil, sem construir a estabilidade, nós não conseguiremo construir a estabilidade econômica de forma perene. Por que apoio hoje a convocação de um plebiscito que os senhores senadores aprovaram? Tenho a convicção de que o pacto político passa por ouvir o povo. Rupturas não são consertadas com expedientes que levam a eleições indiretas travestidas de processos de impeachment sem crime de responsabilidade."

 

Mais Notícias

Jorge Viana e prefeitos tratam de recursos para ramais no Ministério do Planejamento

Reunião com secretário executivo da pasta discutiu detalhes da execução técnica da emenda de banca...

Jorge Viana pede ajuda à Defesa Civil Nacional para famílias atingidas pelas chuvas Parlamentar tamb

O senador Jorge Viana esteve reunido com o prefeito Marcus Alexandre e equipe da prefeitura nesta qu...

Fruto de emenda parlamentar de Jorge Viana, Academia de Saúde é inaugurada no Bujari Senador destino

O senador Jorge Viana participou nesta quinta-feira (01) da inauguração da Academia de Saúde do Bu...

Jorge Viana e novo Comandante da PM falam de ação coordenada para combate à violência

Em reunião com novo Comandante-Geral da Polícia Militar do Acre, senador compartilhou ideias para aj...

No Brasil, uma democracia em declínio

  Os escândalos, misturando casos de dinheiro sujos e negociações no porão, se sucederam no po...

Jorge Viana: “Os políticos precisam oferecer às pessoas o que têm de melhor e não de pior”

O senador Jorge Viana (PT) esteve na manhã desta sexta, 19, conversando com o jornalista Washington ...

Um encontro para pensar Rio Branco e o Acre

Dando sequência a uma séria de conversas e visitas que tem feito durante o recesso parlamentar, o se...

Movimentos sociais anunciaram que estarão em Porto Alegre durante o julgamento do ex-presidente Lula

Diversos movimentos sociais anunciaram que estarão em Porto Alegre durante o julgamento do ex-presid...

Jorge Viana rechaça pressão pelo fim da neutralidade na internet

Relator da política de banda larga, senador alerta que mudança adotada pelos Estados Unidos vai prej...

Jorge Viana quer voos extras para o Acre

Da tribuna do Senado, parlamentar pede às empresas aéreas que destinem mais passagens e linhas aérea...