Dilma: Não dou a eles o presente da renúncia

E-mail Imprimir PDF

Em entrevista ao jornalista Roberto Cabrini, a presidente eleita Dilma Rousseff afirmou que jamais jogará a toalha e explicou por que o atual processo de impeachment é um golpe contra a democracia brasileira; “Sou vítima de um julgamento fraudulento, que tem como objetivo fazer uma eleição indireta”, disse ela; na entrevista, Dilma voltou a qualificar Michel Temer como traidor, não apenas por tê-la traído, mas também o programa vitorioso nas urnas; Dilma disse ainda que jamais renunciaria e falou sobre eventual prisão do ex-presidente Lula, o que seria, segundo ela, "uma temeridade"

Em entrevista concedida ao jornalista Roberto Cabrini e exibida nesta madrugada, a presidente Dilma Rousseff falou do processo de impeachment, da traição do interino Michel Temer e da perseguição judicial ao ex-presidente Lula, entre outros temas.

“Não tenho a menor intenção de renunciar. Não dou esse presente a eles”, disse Dilma, ao ser questionada sobre a hipótese de renúncia. Ela também lembrou que “jamais vai jogar a toalha”.

Em relação ao processo de impeachment, ela afirmou que ocorre porque muitos, como disse o senador Romero Jucá (PMDB-RR), querem estancar a sangria da Lava Jato porque “temem alguma delação” 

Ela também explicou por que o processo atual não passa de um golpe de estado. “Sou vítima de um julgamento fraudulento, que tem como objetivo fazer uma eleição indireta”, afirmou, lembrando que seus antecessores também cometeram as chamadas pedaladas fiscais. “Ou é crime para todo mundo ou não é para ninguém”, afirmou.

Dilma também disse que Temer traiu não apenas a ela, mas também os eleitores. “Temer não foi eleito para fazer o que está fazendo. Foi eleito com o meu programa de governo”.

Em relação aos escândalos de corrupção, ela disse não ter qualquer responsabilidade. “Não tenho responsabilidade nenhuma se um funcionário da Petrobras resolveu ser corrupto”. Mesmo em relação a acusações de caixa dois para o marqueteiro João Santana, ela disse não ter qualquer envolvimento. “Eu não reconheço, eu não paguei. Não vou assumir responsabilidade sobre o que eu não controlo. É público e notório que não participei.” 

Ela também defendeu o presidente Lula, dizendo que uma eventual prisão do ex-presidente seria “uma temeridade”.

 

Mais Notícias

Comissão sobre Mudanças Climáticas vai promover evento na COP 23, em Bonn

Jorge Viana confirma audiência, em 15 de novembro, durante Conferências das Partes, na Alemanha, par...

Jorge Viana quer lei de transparência para juros

Projeto do senador obriga instituições financeiras a divulgarem as taxas de juros, mensais e anuais,...

Jorge Viana saúda acordo de telefonia no Acre

Senador comemora investimentos de empresas de telefonia para ampliar os serviços de telefonia móvel ...

Jorge Viana alerta para risco de crise institucional

Senador diz que Aécio foi algoz do governo Dilma, mas lembra que a Constituição não prevê afastament...

Jorge Viana celebra investimentos na infraestrutura de telefonia no Acre

Termo de Cooperação entre governo do Acre e empresas de telecomunicação será assinado na próxima sem...

Jorge Viana alerta para risco à soberania com leilão de satélite

Em audiência pública Telebras e Aeronáutica, senador questiona venda. “Esse governo só tem 3,4% de a...

Jorge Viana apresenta requerimento para debater orçamento da BR-364

Senador Jorge Viana destacou relatório da Federação do comércio e convocação do diretor do DNIT e re...

Jorge Viana participa da posse da nova Procuradora da República Raquel Dodge

nador diz que espera firmeza e imparcialidade da nova chefe do Ministério Público Federal O senador...

Jorge Viana anuncia ato que irá marcar investimentos em telefonia móvel e internet no Acre

Senador falou sobre termo de cooperação que será assinado por dirigentes das companhias telefônicas,...

Municípios de fronteira do Acre podem virar Áreas de Livre Comércio

Proposta de autoria do senador Jorge Viana foi aprovada em comissão do Senado e pode beneficiar Assi...